julho 25, 2017

Autoral: Reencontro

Olá pessoal, tudo bem?
Sabe quando faz tempo que você não escreve, e de repente, um acontecimento te enche de sentimento, te arrebata e te inspira?


Acho que vocês sabem bem do que estou falando. Pois é, o texto de hoje eu escrevi em um desses momentos. Confiram!

E ali estava eu, diante da sua presença tão marcante.
Parecia um sonho, quando eu me despi do meu orgulho,
dos meus princípios e das armadilhas sociais desse mundo.
Incentivada por aquilo que deu início a esse instante.

O desejo instantâneo ao te conhecer foi perceptível.
A timidez não foi suficiente para disfarçar a paixão.
Embriagada fiquei, pelo trabalho de suas mãos.
Ainda assim, para você eu continuei sendo invisível.

Mas no giro do mundo um reencontro aconteceu.
De forma inusitada e controversamente conveniente.
Entre muitos personagens e personalidades diferentes.
Desprovidos de qualquer pudor ali estávamos você e eu.

Exposta, anônima e inconsequente a você me abri.
Como se nascida para tê-lo sempre dentro de mim.
Sentir-te, tocar-te, beijar-te, amar-te, isso foi o meu fim.
Quando percebi que terei meu coração partido por ti.

Um sentimento há muito perdido, esquecido em meu ser.
O qual não achava mais ser capaz de renascer, reviver.
Se foi feitiço ou magia, não sei, mas me pegou para valer.
Agora busco uma cura, pois sinto que nunca terei você.

OBS: O título é provisório, mas aceito sugestões.

Espero que tenham curtido, apesar de ele ser bem pessoal, acho que dá pra refletir nos sentimentos contidos nele.

Até a próxima!!!

julho 23, 2017

Projeto Esqueça Um Livro

Olá pessoal, tudo bem?
O dia do escritor nacional acontece dia 25/07 e é a data ideal para retomarmos o projeto Esqueça Um Livro.


Para quem não sabe, é um projeto que surgiu em 2013, quando Felipe Brandão, um apaixonado por leitura percebeu que sua estante estava abarrotada de livros e ao invés de comprar mais uma estante para acumular mais livros ou vender no sebo, resolveu desapegar, abandonando livros pela cidade, e assim nasceu o projeto #EsqueçaUmLivro no Brasil.


A ideia nasceu nos Estados Unidos em 2001 quando Ron Hornbaker e sua esposa viram uma reportagem sobre máquinas fotográficas descartáveis, que eram deixadas em certos locais para que outros encontrassem e pudessem fazer uso da mesma. Eles gostaram da proposta e começaram a pensar que outros objetos poderiam ser usados com a mesma finalidade. Olhando a estante de livros surgiu a ideia, batizada por eles de BookCrossing. 


Combinando leitura e e urbanidade, o conceito convida os leitores a deixarem livros em locais públicos, para que outras pessoas encontrem, leiam, e voltem a abandoná-los, como uma espécie de cadeia em favor do acesso à leitura.

A base do projeto é uma fanpage no Facebook, onde Felipe posta as fotos dos livros “esquecidos” por São Paulo, acompanhadas de uma breve sinopse e da indicação do local onde a edição foi deixada. “Sobre a Brevidade da Vida”, de Sêneca, foi o primeiro livro a ser abandonado no projeto. De lá pra cá, vários amigos, leitores e entusiastas passaram a colaborar com o projeto, deixando livros pela cidade.


Para participar é muito fácil. Basta esquecer um livro num local público, com um bilhetinho pra quem encontrar. Não deixe de postar uma foto nas redes sociais com a hashtag #esqueçaumlivro para que o movimento se espalhe!

Vamos esquecer? Eu já selecionei meu desapego!!

Até a próxima!

julho 21, 2017

Estreias do Cinema (20 a 26/07)

Olá pessoas lindas, como vão?
Vacilei essa semana e post saiu atrasado, mas ainda tá valendo, pois o fim de semana começa agora.


Então, escolha seu filme e aproveite a companhia!!!

TRANSFORMERS: O ÚLTIMO CAVALEIRO

Sinopse: Os humanos estão em guerra com os Transformers, que precisam se esconder na medida do possível. Cade Yeager (Mark Wahlberg) é um de seus protetores, liderando um núcleo de resistência situado em um ferro-velho. É lá que conhece Izabella (Isabela Moner), uma garota de 15 anos que luta para proteger um pequeno robô defeituoso. Paralelamente, Optimus Prime viaja pelo universo rumo a Cybertron, seu planeta-natal, de forma a entender o porquê dele ter sido destruído. Só que, na Terra, Megatron se prepara para um novo retorno, mais uma vez disposto a tornar os Decepticons os novos soberanos do planeta.

DETETIVES DO PRÉDIO AZUL (D.P.A.) - O FILME

Sinopse: Os Detetives do Prédio Azul são confrontados com o maior caso de suas vidas: salvar o próprio edifício da destruição. Pippo (Pedro Henrique Motta), Sol (Letícia Braga) e Bento (Anderson Lima) se infiltram na festa de Dona Leocádia (Tamara Taxman), a terrível síndica que é, literalmente, uma bruxa. Lá eles presenciam um crime "mágico", que condena o Prédio Azul a uma demolição de emergência. Para completar, a única testemunha - o quadro falante da Vó Berta (Suely Franco) - desaparece, e Dona Leocádia é enfeitiçada para ficar boazinha. Para resolver esse caso, os detetives vão contar com a ajuda do porteiro Severino (Ronaldo Reis), que empresta sua Kombi azul novinha para ser a sede de investigação. A aventura fica completa quando Tom (Caio Manhente), Mila (Letícia Pedro) e Capim (Cauê Campos), fundadores do clubinho original, são trazidos de volta ao Rio de Janeiro para ajudar no caso.

DE CANÇÃO EM CANÇÃO

Sinopse: Em Austin, no Texas, dois casais - os compositores Faye (Rooney Mara) e BV (Ryan Gosling), e o magnata da música (Michael Fassbender) com uma garçonete que ele ilude (Natalie Portman) - perseguem o sucesso através de uma paisagem de rock 'n' roll, sedução e traição.

MONSIEUR & MADAME ADELMAN

Sinopse: Sarah (Doria Tillier) e Victor (Nicolas Bedos) estiveram juntos por 45 anos. No funeral dele, Sarah é abordada por um jornalista que deseja contar a história de seu marido, um renomado escritor, a partir do olhar da mulher que sempre o acompanhou. A partir de então, ela passa a contar as minúcias do relacionamento que tiveram, incluindo segredos bastante íntimos.

TAL MÃE, TAL FILHA

Sinopse: Avril (Camille Cottin) é uma mulher de 30 anos, bem-sucedida com sua vida e carreira, que é completamente o oposto de sua mãe, Mado (Juliette Binoche), que é super dependente e mora com a filha desde que se divorciou. A relação das duas, que nunca foi das melhores, fica ainda mais complicada quando, por um azar do destino, mãe e filha ficam grávidas ao mesmo tempo.

E aí, gostaram das opções? 

Até a próxima!!!

julho 19, 2017

Fita Verde no Cabelo

Olá pessoal, tudo bem?
Hoje, iria trazer a resenha desse texto que me foi indicado pela minha irmã, que como professora do ensino infantil, está sempre levando leituras para seus alunos, enfim...


Ela me pediu para ler essa história, que seria um spin-off de Chapeuzinho Vermelho eu diria, mas devido a seu tamanho, resolvi trazê-lo na íntegra para que vocês também possam apreciar a leitura.

Fita Verde no Cabelo
(Nova velha história)
João Guimarães Rosa

Havia uma aldeia em algum lugar, nem maior nem menor, com velhos e velhas que velhavam, homens e mulheres que esperavam, e meninos e meninas que nasciam e cresciam. Todos com juízo, suficientemente, menos uma meninazinha, a que por enquanto. Aquela, um dia, saiu de lá, com uma fita verde inventada no cabelo.

Sua mãe mandara-a, com um cesto e um pote, à avó, que a amava, a uma outra e quase igualzinha aldeia. Fita - Verde partiu, sobre logo, ela a linda, tudo era uma vez. O pote continha um doce em calda, e o cesto estava vazio, que para buscar framboesas.

Daí, que, indo no atravessar o bosque, viu só os lenhadores, que por lá lenhavam; mas o lobo nenhum, desconhecido, nem peludo. Pois os lenhadores tinham exterminado o lobo. Então ela, mesma, era quem dizia: "Vou à vovó, com cesto e pote, e a fita verde no cabelo, o tanto que a mamãe me mandou". A aldeia e a casa esperando-a acolá, depois daquele moinho, que a gente pensa que vê, e das horas, que a gente não vê que não são.

E ela mesma resolveu escolher tomar este caminho de cá, louco e longo e não o outro, encurtoso. Saiu, atrás de suas asas ligeiras, sua sombra também vindo-lhe correndo, em pós. Divertia-se com ver as avelãs do chão não voarem, com inalcançar essas borboletas nunca em buquê nem em botão, e com ignorar se cada uma em seu lugar as plebeinhas flores, princesinhas e incomuns, quando a gente tanto passa por elas passa. Vinha sobejadamente.

Demorou, para dar com a avó em casa, que assim lhe respondeu, quando ela, toque, toque, bateu:

- "Quem é?"

- "Sou eu..." - e Fita Verde descansou a voz. - "Sou sua linda netinha, com cesto e com pote, com a Fita Verde no cabelo, que a mamãe me mandou."

Vai, a avó difícil, disse: - "Puxa o ferrolho de pau da porta, entra e abre. Deus a abençoe."

Fita Verde assim fez, e entrou e olhou.

A avó estava na cama, rebuçada e só. Devia, para falar agagado e fraco e rouco, assim, de ter apanhado um ruim defluxo. Dizendo: - "Depõe o pote e o cesto na arca, e vem para perto de mim, enquanto é tempo."

Mas agora Fita Verde se espantava, além de entristecer-se de ver que perdera em caminho sua grande fita verde no cabelo atada; e estava suada, com enorme fome de almoço. Ela perguntou:

- "Vovozinha, que braços tão magros, os seus, e que mãos tão trementes!"

- "É porque não vou poder nunca mais te abraçar, minha neta...." - a avó murmurou.

- "Vovozinha, mas que lábios, aí, tão arroxeados".

- "É porque não vou nunca mais poder te beijar, minha neta..." - a avó suspirou.

- "Vovozinha, e que olhos tão fundos e parados, nesse rosto encovado, pálido?"

- "É porque já não estou te vendo, nunca mais, minha netinha...." - a avó ainda gemeu.

Fita Verde mais se assustou, como se fosse ter juízo pela primeira vez.

Gritou: - "Vovozinha, eu tenho medo do Lobo!..."

Mas a avó não estava mais lá, sendo que demasiado ausente, a não ser pelo frio, triste e tão repentino corpo.

E aí, curtiram? Essa história tão curta acaba deixando algumas mensagens para nós de forma bem singela. Adorei conhecê-la e adorei trazê-la para compartilhar com vocês.

Até a próxima!

julho 17, 2017

Biografia: Frida Kahlo

Olá pessoal, tudo bem?
Faz tempo que não trago um post biográfico, já que a pesquisa demanda tempo, mas como estou de férias, consegui trazer para vocês a biografia de hoje.


No último dia 06/07 comemorou-se os 110 anos de Frida Kahlo, e sendo ela uma das principais representantes do feminismo, o post de hoje é mais do que falar sobre uma artista, trata-se da pintora autodidata mexicana que ainda hoje é sinônimo de empoderamento e liberdade, inteligência e personalidade. Ela é a feminista que vestiu o orgulho de ser mexicana, de ser mulher apaixonada e sonhadora. 

Capa da Revista Vogue (2012)
Frida, ou melhor, Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderón, nasceu no dia 6 de julho de 1907 na cidade de Coyoacán, México, filha de pai alemão e mãe de origem indígena-espanhola, foi a terceira filha de quatro irmãs. Apesar disso, ela sempre foi muto próxima do pai.


“Amuralhar o próprio sofrimento é arriscar que ele te devore a partir do teu interior.”


Com seis anos, Frida contraiu poliomielite, a primeira de uma série de doenças, acidentes, lesões e operações que sofreu ao longo da vida. A doença a deixou com uma lesão no seu pé direito, o que a levou posteriormente a amputá-lo. Passou a usar calças, depois longas e exóticas saias, que se tornaram uma de suas marcas pessoais.


Em 1925, aos 18 anos, aprende a técnica da gravura com Fernando Fernandez. Então sofreu um grave acidente. Um bonde, no qual viajava, chocou-se com um trem. O pára-choque de um dos veículos perfurou-lhe as costas, causando uma fratura pélvica e hemorragia. Frida ficou muitos meses entre a vida e a morte no hospital, teve que operar diversas partes e reconstruir por inteiro seu corpo, que estava todo perfurado. 

A Coluna Partida (1944)
Tal acidente obrigou-a a usar coletes ortopédicos de diversos materiais, e ela chegou a pintar alguns deles. Durante a sua longa convalescença, começou a pintar, usando a caixa de tintas de seu pai e um cavalete adaptado à cama. Chegou a cursar algumas disciplinas da faculdade de medicina, mas a arte falou mais alto e incentivada pelo pai tornou-se a artista que conhecemos.


Apesar de deprimida e incapacitada de andar, passou a pintar freneticamente a sua imagem, com um espelho pendurado na sua frente. Dizia: “Para que preciso de pés quando tenho asas para voar”. Entre os anos de 1922 e 1925 estudou desenho e modelagem na Escola Nacional Preparatória do Distrito Federal do México. Em 1928 filiou-se ao Partido Comunista Mexicano, onde conheceu seu marido, Diego Rivera com quem se casou aos 22 anos, em 1929.

Frida e Diego Rivera
O casamento foi tumultuado, visto que ambos tinham temperamentos fortes e casos extraconjugais. Kahlo era bissexual e Rivera aceitava abertamente os relacionamentos de Kahlo com mulheres, mas não aceitava os casos da esposa com homens. Frida descobre que Rivera mantinha um relacionamento com sua irmã mais nova, Cristina.

As Duas Fridas (1939)
Sob a influência da obra do marido, adotou o emprego de zonas de cor amplas e simples, num estilo propositadamente reconhecido como ingênuo. Procurou na sua arte afirmar a identidade nacional mexicana, por isso adotava com muita frequência temas do folclore e da arte popular do México.

Viva La Vida (1953)
Entre 1930 e 1933 passa a maior parte do tempo em Nova Iorque e Detroit, com Rivera. Entre 1937 e 1939, recebeu Leon Trotski em sua casa de Coyoacán, com que teve um breve romance.

Frida e Trotski (1937)
Frida chamava atenção por exagerar nas roupas, enfeites, risos e gestos. Em 1938, André Breton qualifica sua obra de surrealista em um ensaio que escreveu para a exposição de Kahlo na galeria Julien Levy de Nova Iorque. Não obstante, ela mesma declarou mais tarde: "Pensavam que eu era uma surrealista, mas eu não era. Nunca pintei sonhos. Pintava a minha própria realidade". Dedicou-se à pintura quase exclusiva de autorretratos.

O Veado Ferido (1946)

Em 1939, expõe em Paris na galeria Renón et Colle. Em 1942, Frida Kahlo começou a lecionar artes na Escola Nacional de Pintura e Escultura, escola recém-fundada na cidade do México. Foi uma defensora dos direitos das mulheres, tornando-se um símbolo do feminismo.



Em 1940 une-se novamente a Diego. O segundo casamento foi tão tempestuoso quanto o primeiro, marcado por brigas violentas. Ao voltar para o marido, Frida construiu uma casa igual à dele, ao lado da casa em que eles tinham vivido. Essa casa era ligada à outra por uma ponte, e eles viviam como marido e mulher, mas sem morar juntos.


“Se eu pudesse lhe dar alguma coisa na vida, eu lhe daria a capacidade de ver a si mesmo através dos meus olhos. Só então você perceberia como é especial para mim.”


Embora tenha engravidado mais de uma vez, Frida nunca teve filhos, pois o acidente que a perfurou comprometeu seu útero e deixou graves sequelas, que a impossibilitaram de levar uma gestação até o final, tendo tido diversos abortos.

Hospital Henry Ford (1932)
Apesar de passar por diversas cirurgias e usar um colete de gesso em consequência do acidente, Frida não parava de pintar. Sua obra recebia influência da arte indígena mexicana. Pintava paisagens mortas e cenas imaginárias. Usava cores fortes e vivas, explorando principalmente os autorretratos. Era também aficionada por fotografia, hábito que herdou de seu pai e do seu avô materno, ambos fotógrafos profissionais.

Auto Retrato (Fotografia)

Tentou diversas vezes o suicídio com facas e martelos.

Em 13 de julho de 1954, Frida Kahlo, que havia contraído uma forte pneumonia, foi encontrada morta. Seu atestado de óbito registra embolia pulmonar como a causa da morte. Mas não se descarta a hipótese de que tenha morrido de overdose (acidental ou não), devido ao grande número de remédios que tomava. A última anotação em seu diário, que diz "Espero que minha partida seja feliz, e espero nunca mais regressar - Frida", permite a hipótese de suicídio. Seu corpo foi cremado, e suas cinzas encontram-se depositadas em uma urna em sua antiga casa.


“Bebia para afogar as mágoas, mas as malditas aprenderam a nadar.”


Quatro anos após a sua morte, sua casa familiar conhecida como "Casa Azul" transforma-se no Museu Frida Kahlo. Reconhecida tanto por sua obra quanto por sua vida pessoal, ganha retrospectiva de suas obras, com objetos e documentos inéditos, além de fotografias, desenhos, vestidos e livros.

Casa Azul (Museu Frida Kahlo)

Após a morte da pintora, Diego Rivera exigiu 15 anos de segredo para os pertences do casal. No entanto, ele morreu três anos depois e deixou Dolores Olmedo, uma colecionadora de arte, como administradora de seu acervo e ela se recusou a dar acesso às peças até para o Museu Frida Kahlo.


“Pinto a mim mesma porque sou sozinha e porque sou o assunto que conheço melhor.”

Somente após sua morte, em 2004, os objetos foram desbloqueados e formaram a exposição sobre as roupas e pertences de Frida nunca antes vistos pelo público.

Exposição Frida Kahlo (2017)

Obras
Clique sobre os títulos para visualizar as imagens


Bom, espero que tenham curtido esse biografia que eu amei e me emocionei várias vezes dirante a pesquisa. Como há muito o que saber sobre esse ícone da arte, fica aqui a dica de leitura para quem se interessar em conhecer mais a fundo a história de vida de Frida Kahlo.

Sinospe: Todo mundo sabe que tinha ideias radicais em política e hábitos modernos na vida, que pintava de modo radicalmente pessoal, e que teve uma existência tão tumultuada quanto o século XX em que viveu. O que poucos sabem é que tudo o que quase todo mundo sabe sobre Frida Kahlo está longe de resumir sua vida, ou de revelar a mulher por trás do ícone da arte latino-americana moderna. Finalmente traduzida para o português, Frida – a biografia foi um dos grandes impulsionadores do revival da artista nos Estados Unidos e em todo o mundo a partir de 1983. Como sintetizou a crítica, “Por meio de sua arte, Kahlo fez de si mesma uma artista e um ícone; por meio desta biografia, ganhou também dimensão humana”.
Escrito por Hayden Herrera, reconhecida historiadora da arte, o livro traz, além da intimidade da história de Frida, detalhadas descrições e interpretações dos quadros de Kahlo, escritas com o rigor e a acuidade de uma especialista, mas também com a clareza, a fluidez e a sedução de uma amante dessa arte.


Em 2002, foi lançado no cinema o filme biográfico Frida, estrelado por Salma Hayek e Alfred Molina.

E aí, curtiram? Eu amei fazer essa pesquisa e espero ter conseguido aproximá-los ainda mais dessa artista.

Até a próxima!

julho 15, 2017

Top 5: Lugares no Nordeste para curtir o inverno

Olá pessoal, tudo bem?
O inverno chegou com tudo aqui no Nordeste e nós, nascidos na cidade do sol estamos sofrendo com os 22ºC que tem feito nas noites de inverno.


Eu gosto do frio, apesar de sofrer com ele e por isso trouxe o post de hoje, para quem curte um friosinho, esse top 5 é ótimo para você.

Portalege - RN


Fundada em 1761, Portalegre é uma alusão à cidade de Portalegre, situada na região do Alentejo, em Portugal. Sua história mescla a influência entre os nativos das terras, os índios Paiacu, Tarairiu, portugueses e a expansão da carne de charque.

Situa-se a 800 metros de altitude em seu ponto mais alto e, apesar de estar situada na região do semi-árido, a temperatura média anual é de 20ºC.


Além dos vários mirantes, o visitante pode conhecer a cachoeira pinga, o terminal turístico da bica, trilhas que levam a inscrições rupestres e antigos remanescentes quilombolas.

Bananeiras - PB


Fundada em 1879, a cidade de Bananeiras, localizada na serra da Borborema a 526 metros de altitude, já foi a maior produtora de café da Paraíba. Hoje é mais famosa pelas cachaças que saem dos alambiques da região.


Nas pequenas ruas do Centro Histórico, o casario reúne mais de 80 construções tombadas. Que visita a cidade não pode deixar de provar a pateca, doce à base de banana com chocolate em pó e sorvete. Dentre os principais pontos turísticos, estão a Estação Ferroviária e o Túnel da Viração, bem como fazer uma trilha pela mata e descobrir a cachoeira do Roncador com uma queda de mais de 50 metros.

Monte das Gameleiras - RN


Monte das Gameleiras é uma cidadezinha localizada na Borborema potiguar em seus 501 metros de altitude oferece um relevo repleto de imagens para fotografar, favorecendo a prática do ecoturismo, com diversas atrações turísticas baseadas ma geografia privilegiada do município, tais como a Pedra Pintada, a Pedra Navio, a Pedra da Caridade, do Milagre e a Pedra do Magalhães. O Açude Pituaçu, a gruta e a Capela de N. S. da Saúde são outras atrações. 


Mas a principal é o Hotel Pedra Grande, com sua arquitetura peculiar, inspirada na Holanda. A temperatura média anual é de 22,5ºC.

Areia - PB


Fundada em 1846, Areia é uma linda cidade histórica, com muitas riquezas naturais e culturais, situada em local elevado, Areia, no inverno, é coberta por uma leve neblina, e suas terras possuem diversas fontes e balneários aquáticos.


O visitante de Areia, vai pode conhecer além da arquitetura e das várias construções tombadas, o Museu da Rapatura e o Museu Pedro Américo, famoso pela pintura "O Grito do Ipiranga", encomendada a ele ainda criança pelo próprio D. Pedro II. Pode ainda visitar um dos 117 engenhos existentes no local e suas cachaçarias famosas.
A temperatura média é de 21,7ºC. altitude 623 metros.

Martins - RN


Localizado a uma altitude de mais de 700 metros de altitude em relação ao nível do mar, Martins foi emancipada de Portalegre em 1841 e recebe as alcunhas Princesa Serrana e Campos do Jordão do Rio Grande do Norte, devido ao seu clima considerado agradável, em contraste com o clima semiárido das vizinhanças, podendo chegar a 15 °C nos meses mais frios. Nessa época do ano a cidade realiza um festival gastronômico de rua, considerado o maior do estado.


Um dos principais destinos turísticos do interior potiguar, Martins se destaca no turismo de aventura, abrigando a segunda maior caverna de mármore do país, a Casa de Pedra, com 100 metros de comprimento. Além dela, o visitante também pode visitar a Cachoeira de Umarizeira; as pedras Rajada e do Sapo, as grutas Nossa Senhora Aparecida e Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e o pôr do sol do Diadema. Outros atrativos turísticos de Martins são a Capela Nossa Senhora do Rosário, a Casa de Agá Fernandes, a Escola Estadual Almino Afonso, o Museu da Cidade e os mirantes da Carranca, do Canto e Mãe Guilé, de onde se podem avistar paisagens de localidades vizinhas.

E aí, curtiram? Nordeste não é só praia, a gente possui atração para todos os gostos, do litoral ao sertão, das águas mornas a serração. É só escolher o destino e aproveitar.

Até a próxima!!!

julho 13, 2017

Lançamentos do Cinema (13/07 a 19/07)

Olá pessoal,
minha primeira semana de férias está naquele ritmo bem preguiçoso, ainda não fiz nada do que planejei, mas pelo menos ao cinema irei.


Confira as estreias e me ajude a escolher minha próxima sessão:

A Vida de Uma Mulher

Sinopse: Jeanne (Judith Chemla) volta para casa após completar os estudos e passa a ajudar os zelosos pais nas tarefas do campo. Certo dia o visconde Julien de Lamare (Swann Arlaud) aparece nas redondezas e logo conquista o coração da jovem, que, encantada, com ele se casa e vai morar. Conforme o tempo avança Julien se mostra infiel, avarento e nada companheiro, o que vai minando a alegria de viver da antes esperançosa Jeanne.

Carros 3

Sinopse: Durante mais uma disputa eletrizante nas pistas, o campeão Relâmpago McQueen acelerou demais e acabou perdendo o controle. Agora, após ter capotando várias vezes e quase ter partido dessa para melhor, o vermelinho vai ter sua vida alterada para sempre. O acidente foi tão grave que, com os estragos, McQueen pode ter que se aposentar de vez.

Cartas da Guerra

Sinopse: Baseado no romance de António Lobo Antunes, são reunidas um conjuntos de cartas de um jovem soldado, médico e aspirante a escritor, que foram enviadas para sua esposa de Angola entre os anos de 1971 e 1973, durante a Guerra Colonial Portuguesa, um confronto de Portugal com antigas províncias ultramarinas.

Detetives do Prédio Azul (D.P.A.) O Filme

Sinopse: Os Detetives do Prédio Azul são confrontados com o maior caso de suas vidas: salvar o próprio edifício da destruição. Pippo (Pedro Henrique Motta), Sol (Letícia Braga) e Bento (Anderson Lima) se infiltram na festa de Dona Leocádia (Tamara Taxman), a terrível síndica que é, literalmente, uma bruxa. Lá eles presenciam um crime "mágico", que condena o Prédio Azul a uma demolição de emergência. Para completar, a única testemunha - o quadro falante da Vó Berta (Suely Franco) - desaparece, e Dona Leocádia é enfeitiçada para ficar boazinha. Para resolver esse caso, os detetives vão contar com a ajuda do porteiro Severino (Ronaldo Reis), que empresta sua Kombi azul novinha para ser a sede de investigação. A aventura fica completa quando Tom (Caio Manhente), Mila (Letícia Pedro) e Capim (Cauê Campos), fundadores do clubinho original, são trazidos de volta ao Rio de Janeiro para ajudar no caso.

Fala Comigo

Sinopse: Diogo (Tom Karabachian) tem um estranho fetiche: ele sente prazer ao ligar para as pacientes de sua mãe, Clarice (Denise Fraga), que é terapeuta. Certo dia, ele liga para Ângela (Karine Teles), uma mulher de 43 anos que acaba de se separar do marido. Os dois iniciam uma complicada relação pelo telefone, repleta de curiosidade e de silêncio.

Julho-Agosto

Sinopse: Duas irmãs, Laura (Luna Lou), de 14 anos, e Josephine (Alma Jodorowsky), de 18, passam o mês de julho com a mãe e o padrasto e agosto com o pai. Durante o intenso período decisões são tomadas, segredos revelados, relações abaladas e nada será como antes.

O Futuro Perfeito

Sinopse: Xiaobin, uma jovem chinesa de 17 anos, está perdida em um mundo novo. Após se mudar para a Argentina sem falar nenhuma palavra em espanhol, ela busca um rumo para seu futuro. Poucos dias depois de sua chegada, novos caminhos já vinham sendo traçados: ela já tinha um novo nome, Beatriz, e um emprego em um supermercado chinês. Ao se matricular em uma escola de línguas, a jovem vai aos poucos aprendendo novas palavras, ao mesmo tempo em que seu futuro é delineado.

E aí, já escolheu o seu? Eu ainda estou em dúvida...

Até a próxima!

julho 11, 2017

Quotes: Anjos e Demônios

Olá pessoal,
hoje é dia de trazer aquela seleção de citações de livros que vocês adoram!


O livro da vez é de um dos escritores mais aclamados da atualidade, com suas histórias envolvendo temas polêmicos em uma trama complexa e intensa. 

Comprar
Sinopse: Antes de decifrar ´O Código Da Vinci´, Robert Langdon, o famoso professor de simbologia de Harvard, vive sua primeira aventura em Anjos e Demônios, quando tenta impedir que uma antiga sociedade secreta destrua a Cidade do Vaticano. Às vésperas do conclave que vai eleger o novo Papa, Langdon é chamado às pressas para analisar um misterioso símbolo marcado a fogo no peito de um físico assassinado em um grande centro de pesquisas na Suíça. Ele descobre indícios de algo inimaginável: a assinatura macabra no corpo da vítima - um ambigrama que pode ser lido tanto de cabeça para cima quanto de cabeça para baixo - é dos Illuminati, uma poderosa fraternidade considerada extinta há quatrocentos anos. A antiga sociedade ressurgiu disposta a levar a cabo a lendária vingança contra a Igreja Católica, seu inimigo mais odiado. De posse de uma nova arma devastadora, roubada do centro de pesquisas, ela ameaça explodir a Cidade do Vaticano e matar os quatro cardeais mais cotados para a sucessão papal. Correndo contra o tempo, Langdon voa para Roma junto com Vittoria Vetra, uma bela cientista italiana. Numa caçada frenética por criptas, igrejas e catedrais, os dois desvendam enigmas e seguem uma trilha que pode levar ao covil dos Illuminati - um refúgio secreto onde está a única esperança de salvação da Igreja nesta guerra entre ciência e religião. Em Anjos e Demônios, Dan Brown demonstra novamente sua extraordinária habilidade de entremear suspense com fascinantes informações sobre ciência, religião e história da arte, despertando a curiosidade dos leitores para os significados ocultos deixados em monumentos e documentos históricos.

Vamos conhecer um pouco sobre Anjos e Demônios através de seus quotes.

“A Bíblia, o Corão, as escrituras budistas, em todos há exigências semelhantes e penalidades semelhantes. Determinam que se eu não viver de acordo com certo código, irei para o inferno. Não consigo imaginar um Deus que governe dessa maneira.”

“A fé é universal. Nossos métodos específicos para compreendê-la são arbitrários.”

“A Grande Castração, pensou Langdon. Foi uma das piores tragédias da arte da Renascença. Em 1857, o Papa Pio IX decidiu que a representação exata do corpo masculino poderia incitar à luxúria. Então, pegou um cinzel e um malho e decepou a genitália de todas as estátuas masculinas da Cidade do Vaticano. Desfigurou obras de Michelangelo, Bramante e Bernini. Folhas de parreira feitas de gesso serviram de remendo para o estrago. Langdon muitas vezes imaginara se não havia um enorme caixote cheio de pênis em algum lugar.”

“O terrorismo é uma arma política. Quando se acaba com a fachada de infalibilidade de um governo, acaba-se com a fé do povo.”

“A tragédia humana é como uma prova de que Deus não pode ser simultaneamente todo-poderoso e bem-intencionado.”

“O trabalho de Deus não é feito dentro de um laboratório. É feito no coração.”

“Deus é a energia que flui através das sinapses de nossos sistemas nervosos e dos ventrículos de nossos corações!”


“Nada une mais os corações do que a presença do mal.”

E aí, gostaram? Quem já leu? Quem quiser saber mais pode conferir a resenha clicando aqui.

Até a próxima!!
 
© Ventos do Outono | 2016 | Todos os Direitos Reservados | Criado por: Luciana Martinho | Tecnologia Blogger. imagem-logo